• Júlia Chaves

Igreja N. Sra. do Rosário


A Igreja Nossa Senhora do Rosário dos Pretos é a segunda igreja mais antiga de Natal. Construída no início do século XVIII por escravos, a edificação tinha como objetivo ser um templo católico para a população negra do Rio Grande do Norte e por isso, homenageia em seu nome a Nossa Senhora do Rosário. A edificação foi construída mais afastada do núcleo urbano daquela época e com uma arquitetura simples e de poucos adornos. Nos séculos seguintes, foi alterada e ampliada recebendo acréscimos como a torre sineira e outras estruturas e na década de 1980 foi tombada e restaurada pelo Instituto do Patrimônio Histórico e Artístico Nacional (IPHAN). Atualmente, encontra-se novamente em processo de restauro, sendo uma das igrejas mais belas do circuito histórico de Natal. Por sua importância histórica, arquitetônica e cultural, a Igreja Nossa Senhora do Rosário dos Pretos é o tema de hoje do Quinta Potiguar.

Uma das irmandades brasileiras consagradas pela Igreja Católica no período colonial foi a Irmandade Nossa Senhora do Rosário, devotos da santa protetora dos pretos, escravos e libertos que estava presente em todo o território nacional. Não se sabe ao certo a data de criação da irmandade em Natal, mas de acordo com documentos oficiais é fato que em 1706 “[...] a confraria já fazia festas para recolher doações para a construção de sua igreja.” (Soares, 2019). Desta forma, a belíssima Igreja Nossa Senhora do Rosário dos Pretos e o imponente cruzeiro à sua frente foram erguidos pelos próprios escravos em 1714, se tornando a segunda Igreja mais antiga de Natal. De acordo com o escritor Francisco Oliveira (2019) a edificação era extremamente importante para a população negra da cidade pois “[...] era a única ‘alegria’ oficialmente concedida aos escravos locais”. É certo que atualmente podemos considerar sua localização privilegiada por ser no centro, em um dos pontos mais altos da cidade e com uma belíssima vista do Rio Potengi. Porém, no período de sua construção o terreno escolhido não era em um local favorável, pois estava fora do centro cidade que basicamente se concentrava na Praça André de Albuquerque, tendo como principal edificação a Igreja Matriz exclusivamente utilizada por brancos no período colonial (sobre a Igreja Matriz você pode conferir o texto sobre ela na Quinta Potiguar clicando aqui). Esta marginalização dos negros pela sociedade também fez com que informações e documentos sobre a edificação fossem apagados ao longo do tempo, o que dificulta o entendimento da mesma e a sua valorização por parte da população e do turismo, afetando assim a sua preservação. O escritor Luís da Câmara Cascudo foi um dos maiores pesquisadores da Igreja e seus livros escritos nos meados do século XX são atualmente as principais fontes de informações. Em 1844 a ala lateral foi acrescida à edificação e em 1904 foram adicionadas a sacristia e a torre.

Cruzeiro com a Igreja ao Fundo - Fonte: Galo do Sol

Em 1988, a edificação foi tombada pelo Instituto do Patrimônio Histórico e Artístico Nacional e passou por grande intervenção de restauração que trouxe para a edificação características arquitetônicas originais perdidas ao longo do tempo. Infelizmente em abril de 2021, a edificação sofreu ataques de vândalos que destruíram imagens sacras e roubaram objetos litúrgicos. Atualmente, a Igreja encontra-se novamente sendo restaurada pelo IPHAN como parte do projeto de revitalização do centro histórico de Natal, mas mesmo assim está aberta para visitação todos os dias das 14h ás 17hs e ás 9hs da manhã dos domingos é celebrada a Missa em Latim de acordo com o Rito tradicional Católico Romano (Silva, 2021). Para o Professor Dr. Lenin Campos Soares “[...] A igreja tem uma das vistas do rio Potengi mais bonitas da cidade, principalmente para se admirar ao pôr-do-sol.” (2019). Por tudo isso, este monumento merece ser visitado por todos os potiguares.

Igreja N. Sra. do Rosário - Fonte: Evaldo Gomes

A arquitetura da Igreja segue claramente as características do estilo colonial com influência do estilo barroco. Por ser uma igreja construída por escravos e para a população negra, infelizmente marginalizada pela população, sua arquitetura é mais simples se comparada a outras igrejas do mesmo período, possuindo assim menos elementos arquitetônicos decorativos. É importante ressaltar que após a adição posterior da torre na lateral, a fachada da Igreja passou a não ser mais simétrica e essa diferença entre as datas de construção das duas estruturas fica evidente na diferença de altura entre as esquadrias da torre sineira e do ‘corpo’ principal da igreja. No ‘corpo’ podemos destacar o frontão triangular com volutas, pináculos e abertura ao centro, encimado por crucifixo; duas janelas de madeira retas e com verga em arco abatido na altura do coro, porta central também em madeira, reta e com verga em arco abatido, cornija simples e contínua, colunas ornamentais nas duas extremidades, além de nenhuma decoração nas paredes. Quanto à torre sineira podemos destacar a presença de três andares, estando os sinos no último pavimento, a presença de um óculo no andar intermediário, colunas ornamentais nas quatro extremidades encimados por pináculos, cobertura em forma de pirâmide, porta no térreo de madeira e reta, aberturas, nos demais pavimentos, são retas com vergas em arco pleno, cornija reta.

Elementos arquitetônicos Igreja N. Sra. do Rosário - Fonte: editado pela autora

Em suma, a Igreja Nossa Senhora do Rosário dos Pretos é uma edificação de inigualável valor histórico, arquitetônico e cultural para a cidade de Natal e para o Rio Grande do Norte. Sua arquitetura única conta em seus traços a resistência, a fé e cultura negra no nosso estado. Com mais de 300 anos de história, esta edificação precisa ser visitada, preservada e compreendida pelos potiguares. PRECISAMOS VALORIZAR NOSSO PATRIMÔNIO!!



 

Fontes:

  • OLIVEIRA, Francisco Isaac D. de. A Igreja De Nossa Senhora Do Rosário Dos Pretos Como Espaço De Memória. Revista Relicário, Uberlândia, v. 6, n. 12, p. 199-220, jul. 2019.

  • SILVA, Erika Raiane da. PODCAST / IGREJA DE NOSSA SENHORA DO ROSÁRIO DOS PRETOS: um estudo de caso. 2021. 55 f. TCC (Graduação) - Curso de Comunicação Social – Habilitação em Audiovisual, Departamento de Comunicação Social, Universidade Federal do Rio Grande do Norte, Natal, 2021.

  • SOARES, Por Prof. Dr. Lenin Campos. Igreja de Nossa Senhora do Rosário dos Pretos. Natal das Antigas, Natal, 19 jan. 2019. Disponível em: https://www.nataldasantigas.com.br/blog/nossa-senhora-do-rosario-dos-pretos. Acesso em: 29 nov. 2021.

  • TEIXEIRA, Kleber; JÁCOME, Igor. Igreja histórica é arrombada três vezes em 10 dias em Natal. Intertv Cabugi e G1 Rn, Natal, 07 maio 2021. Disponível em: https://g1.globo.com/rn/rio-grande-do-norte/noticia/2021/05/07/igreja-historica-e-arrombada-tres-vezes-em-10-dias-em-natal.ghtml. Acesso em: 29 nov. 2021.

  • PAIVA, Lara. Um pouco sobre a Igreja do Rosário. Brechando, Bahia, 25 nov. 2015. Disponível em: https://brechando.com/2015/11/um-pouco-sobre-a-igreja-do-rosario/. Acesso em: 29 nov. 2021.

135 visualizações0 comentário

Posts recentes

Ver tudo