• Júlia Chaves

Igreja Matriz N. Sra. da Apresentação / A Antiga Catedral - Natal


Localizada em frente à Praça André de Albuquerque, marco zero da cidade do Natal, a Igreja Matriz N. Sra. da Apresentação é a igreja mais antiga do Rio Grande do Norte. Acredita-se que foi construída no ano de 1619, no local onde foi realizada a missa comemorativa da fundação da cidade do Natal. Durante os 21 anos da invasão holandesa no século XVII, foi utilizada como templo calvinista, sendo totalmente destruída pelos mesmos previamente à retomada do domínio português no RN. Após esta destruição, a edificação voltou a ser a Igreja Matriz católica, sendo reconstruída e finalizada em 1694. Ao longo do tempo sofreu muitas ampliações, até a construção da torre em 1862. Teve como pároco, no fim do século XIX, o ilustríssimo Padre João Maria e no início do XIX sofreu a sua mais drástica modificação, quando recebeu elementos neogóticos que desconfiguraram sua fachada. Em 1988, o título de catedral do Natal mudou para uma nova edificação, e a Igreja N. Sra. da Apresentação passou a ser conhecida como a Antiga Catedral. Na sequência, a estrutura foi tombada e restaurada, sendo retomadas as características originais da fachada. Em seus mais de 400 anos de história, a Igreja Matriz presenteia o RN com sua beleza, trazendo em seus traços a nossa história, e por isso foi escolhida como tema da nossa Quinta Potiguar de hoje.

No ano de 1601, 2 anos após a construção do Forte dos Reis Magos, foi criada por meio de alvará da Coroa Portuguesa, a primeira Paróquia potiguar Nossa Senhora da Apresentação. Contudo, não se sabe ao certo o ano exato da construção da Igreja Matriz N. Sra. da Apresentação, embora acredite-se que a edificação foi concluída em 1619. Sua localização foi estratégica, no exato local onde foi realizada a missa comemorativa da fundação da cidade do Natal, e à frente de onde atualmente se encontra a famosa Praça André de Albuquerque, considerado o marco zero da capital potiguar. De acordo com a superintendente do IPHAN/RN, Jeanne Nesi (2020), a edificação foi "[...] constituída inicialmente apenas de capela mor, [e] ao longo dos séculos, [foi] sendo ampliada, seguindo o traçado previamente elaborado no projeto inicial de 1599." Do final do ano de 1633 à 1654, o Rio Grande do Norte esteve sob o domínio dos holandeses (nós já falamos sobre esse acontecimento no texto sobre a Fortaleza dos Reis Magos, o Engenho Cunhaú e o Solar Ferreiro Torto) e neste período, por 21 anos, a Igreja Matriz católica se tornou um templo calvinista. Antes da retomada portuguesa, os holandeses destruíram totalmente a Igrejinha modesta, sendo necessária a reconstrução do templo, obra concluída apenas em 1694. Em 1862 foi construída sua torre, e entre os anos de 1890 e 1904, a Igreja teve como pároco o Padre João Maria, aclamado até os dias atuais pelos fiéis (sobre ele falamos mais no texto sobre a Casa Pe. João Maria).

Igreja em antes e depois da restauração - Fonte: Araújo, s.n. in Curiozzzo

No século XIX, a Igreja Matriz N. Sra. da Apresentação foi muito modificada. Em 1909 recebeu altares laterais e vários adornos arquitetônicos de estilo neo-gótico, o que descaracterizou totalmente seu estilo colonial original (Araújo, s.d.). O relato do escritor Manoel Onofre Júnior, de 1984, mostra suas percepções sobre estas alterações: "[...] [A Catedral] veio sofrendo, através dos tempos, ampliações e remodelações que o desfiguraram totalmente. Da mistura de estilos resultou aspecto lamentável." (Onofre Junior, 1984). Relatos como este eram comuns e mostram que população encontrava-se insatisfeita com as alterações na arquitetura da Igreja. Em 1988, o título de catedral do Natal foi transferido para um novo prédio e a Igreja Matriz passou a ser conhecida como A Antiga Catedral. Finalmente, em 30 de julho de 1992, o templo religioso foi tombado a nível estadual, momento em que se iniciou um grande processo de restauração que trouxe à fachada da edificação religiosa seus traços "originais". Esta restauração foi de extrema importância para a preservação e conservação deste bem histórico potiguar, devolvendo à edificação a conexão com a população local, porém, abro novamente o debate quanto a validade das restaurações que possuem o objetivo de retorno a uma originalidade onde já não existem mais os mesmos materiais e técnicas construtivas foram modificadas. Todavia, durante as obras de restauro, foram encontrados no interior da igreja os restos mortais do revolucionário André de Albuquerque Maranhão, morto no interior do Forte dos Reis Magos acusado de conspiração na Revolução Republicana de 1817.

Após a restauração realizada, é inegável notar que a catedral voltou a ter características do estilo arquitetônico colonial. As vergas das esquadrias voltaram a ser retas, como originalmente, as janelas à esquerda foram substituídas por uma torre de sino. Também podemos destacar como características do estilo colonial a simetria da edificação, seus traços retos, a presença de poucos adornos, janelas na altura do coro, planta-baixa e fachada simples. É importante ressaltar também a influência do estilo maneirista e barroco, com a presença da rosácea ao centro, que 'quebra' a cornija e um frontão com bordas abauladas.

Elementos arquitetônicos - Fonte: Editado pela autora

Em conclusão, a Igreja Matriz Nossa Senhora da Apresentação é uma edificação de influência direta na história do Rio Grande do Norte, pois seus traços e sua trajetória de mais de 400 anos contam os eventos mais marcantes do nosso povo desde o início de nossa colonização, mais precisamente da missa fundamental da cidade. Apesar das inúmeras modificações ao longo do tempo, felizmente possuímos nossa primeira Igreja em ótimo estado de conservação, em uso e fazendo parte diariamente da vida de milhares de potiguares. Este patrimônio extremamente importante e merece ser conservado para continuar contando as incríveis histórias do passado. VAMOS PRESERVAR NOSSO PATRIMÔNIO!

 

Livros:

MEDEIROS, Maria de Fátima. Natal: patrimônio histórico e cultural. Natal/RN: Fuly Editora, 1999. 133 p

MEDEIROS, Tarcísio. Estudos de História do Rio Grande do Norte. Natal: Tipografia Santa Cruz, 2001.272p

NESI, Jeanne Fonseca Leite. Caminhos de Natal. 2. ed. Natal: Iphan, 2020. 125 p.

ONOFRE JUNIOR, Manoel. Breviário da Cidade do Natal. 2. ed. Natal: Clima, 1984. 147 p.

Sites:

ARAUJO, Henrique. Esta foi a primeira igreja do RN e aqui estão 7 curiosidades sobre ela. Natal /Rn: Curiozzzo.Com. Disponível em: https://curiozzzo.com/2017/12/20/esta-foi-a-primeira-igreja-do-rn-e-aqui-estao-7-curiosidades-sobre-ela/ . Acesso em: 27 abr. 2021.

ARQUIDIOCESE DE NATAL. Paróquia de Nossa Senhora da Apresentação – Cid. Alta – Natal. Arquidiocese de Natal, Natal. Disponível em: https://arquidiocesedenatal.org.br/local/paroquia-de-nossa-senhora-da-apresentacao . Acesso em: 27 abr. 2021.

247 visualizações0 comentário

Posts recentes

Ver tudo