• Júlia Chaves

Teatro Alberto Maranhão


Fachada Teatro Alberto Maranhão - Fonte: Coral Plaza

O Teatro Alberto Maranhão é o mais conhecido exemplar da arquitetura eclética no Rio Grande do Norte. Inaugurado no início do século XX, durante o processo de modernização e expansão do RN recém republicano, o teatro tinha como objetivo, atrair e promover lazer e cultura para os potiguares. Desta forma, ao longo dos seus 117 anos de funcionamento, a edificação foi palco de maravilhosos espetáculos, concertos e diversas apresentações, o que a consolidou como símbolo da cultura no estado. A edificação foi tombada pelo Instituto do Patrimônio Histórico e Artístico Nacional no final dos anos 1980 e hoje encontra-se na reta final da maior intervenção de restauração que a edificação já teve. Porém, esta não é a primeira intervenção na edificação, reformas e adições já aconteceram em sua história. Você sabia que a edificação foi inaugurada com outro nome e tinha uma fachada totalmente diferente da que conhecemos hoje? Assim, por causa de sua história riquíssima, cheia de curiosidades, o Teatro Alberto Maranhão é o tema do Quinta Potiguar de hoje.

Pátio interno do Teatro - Fonte: Papo Cultura

O Teatro Carlos Gomes, nome original do atual Teatro Alberto Maranhão, começou a ser construído no ano de 1898. Neste período, o Rio Grande do Norte vivia o início de um longo período de modernização e expansão após a proclamação da república e desta forma, a sociedade potiguar necessitava de uma edificação que permitisse acesso da população à cultura e ao lazer. Com o objetivo de sanar a demanda dos potiguares, o Governador Ferreira Chaves, seguindo o projeto do Engenheiro José de Berredo, iniciou as obras do belíssimo teatro. Em 24 de março de 1904, já durante o governo de Alberto Maranhão, aconteceu a inauguração do Teatro Carlos Gomes. A imponente edificação foi construída de acordo com o estilo eclético, estilo arquitetônico popularizado na região no final do século XIX e início do século XX que se caracterizava pela mistura de estilos arquitetônicos do passado. Porém, diferentemente do que vemos hoje, o teatro possuía uma fachada inspirada nos chalés europeus e no neoclássico. Podemos destacar, nesta versão original da fachada, suas dimensões grandiosas, 3 portas de acesso com verga em arco pleno e o frontão triangular, decorado com uma escultura do renomado escultor francês Mathurin Moreau. Contudo, apenas 6 anos após a inauguração do Teatro, o mesmo foi totalmente reformando.


Fachada original no estilo chalé antes da reforma - Fonte: HCURB in Luna, 2016

O Governador Alberto Maranhão, durante seu segundo mandato, alegou que a estrutura da edificação encontrava-se em péssimas condições e por isso contratou o arquiteto Herculano Ramos para remodelar a edificação. Desta forma, quase nada foi aproveitado da antiga edificação que ganhou outro "[...] pavimento, portões e grades de ferro vindas da França [...] balcões e obras de arte na fachada." (IBGE, s.d.) A nova edificação, assim como a original, foi também construída no estilo arquitetônico eclético. Porém, desta vez a edificação recebeu influência do neoclássico e do art nouveau em sua fachada. O formato triangular dos chalés europeus deu lugar à uma fachada retangular, com platibanda, que esconde a cobertura, decorado com jarros, estátuas, volutas e relevos em massa. Além disso é importante destacar a simetria da edificação, as portas do pavimento térreo com vergas em arco abatido, a quantidade de janelas do pavimento superior igual as portas do pavimento inferior, sendo estas de madeira e vidro com bandeira decorada, as colunas falsas, a utilização de guarda corpo e portões de ferro fundido decorados com formas orgânicas vindos de Paris.


Explicando a arquitetura - Fonte: editado pela autora


Fachada eclética logo após reforma - Fonte: Papo Cultura

Ao longo dos anos de funcionamento do teatro a edificação também serviu como cinema entre os anos 1928 e 1930 e até como Câmara Municipal entre os anos 1952 e 1954 (Prefeitura Municipal de Natal, 2008). Na sequência, após 47 anos da inauguração da nova edificação, no ano de 1957, o Prefeito de Natal Djalma Maranhão renomeou o teatro para Teatro Alberto Maranhão, em homenagem ao governador que foi uma figura ativa na construção da edificação e sua posterior reforma. Logo após a renomeação, a edificação passou por grande restauração e foi reinaugurada em 1960. Na sequência, em 27 de julho de 1985, a edificação foi tombada à nível estadual pelo IPHAN e Fundação José Augusto, recebendo uma nova intervenção de restauro que fez com que a edificação se tornasse um grande complexo cultural. Infelizmente, o Teatro Alberto Maranhão foi fechado em 2015 por apresentar falhas técnicas em sua estrutura e instalações. Desde então, iniciou uma grande obra de restauro da edificação que é considerada a maior intervenção da história do teatro. As obras encontram-se na fase final e sobre ela nós falaremos melhor em uma futura Quinta Potiguar, aguardem!

Fachada Teatro Alberto Maranhão - Fonte: Coral Plaza

Em suma, o Teatro Alberto Maranhão é uma edificação símbolo do nosso estado que precisa ser valorizada e apreciada. Com sua história riquíssima e arquitetura imponente a edificação é um belíssimo patrimônio brasileiro que felizmente encontra-se em meio à obras de restauração. Intervenções como esta são extremamente necessárias para a salvaguarda de uma edificação. NÓS PRECISAMOS PRESERVAR O NOSSO PATRIMÔNIO .

 


137 visualizações0 comentário

Posts recentes

Ver tudo