• Júlia Chaves

Casa Padre João Maria


Casa Pe João Maria - Fonte: Gabriel Dore

Construída no século XVII como Armazém Real da Capitania do Rio Grande e posteriormente adaptada para residência, a Casa Padre João Maria está localizada na importante Rua da Conceição, 603, Cidade Alta, vizinha ao Museu Casa Café Filho. A edificação possui grande valor histórico e arquitetônico para nosso estado pois além de ser um dos raros exemplares da arquitetura Colonial Civil brasileira, foi também residência do ilustre Padre João Maria, considerado como santo pela população católica local. Em 1987, foi tombada pelo Instituto do Patrimônio Histórico Nacional, o IPHAN, e em 1994 restaurada através do Programa Nacional Pró-Memória em parceria com a Fundação José Augusto, tendo esta restauração sido importantíssima para revelar aspectos sobre a história da edificação. De 1986 a 2012, a edificação foi a sede do IPHAN e em 2019 passou por outra obra de restauração, encontrando-se atualmente fechada.

Não se sabe ao certo a data de construção da Casa Padre João Maria, porém após a obra de restauração de 1994, foram encontradas evidências arqueológicas que remetem ao século XVII, mais precisamente anteriores ao ano de 1731 (Nesi, 2002). Através dessas descobertas e de documentação histórica, acredita-se que a edificação originalmente funcionou como Armazém Real da Capitania do Rio Grande, onde se estocavam"[...] armas, munições, fardas, ferramentas, alimentos, equipamentos náuticos e outros, utilizados geralmente pelas forças militares da Coroa." (COSTA, 2014). No final do século XVII, a edificação teve sua função modificada (Silva, 2019), passando a ser utilizada como residência "[...] e ainda segue assim no século XVIII e XIX, pois são abundantes vestígios da cultura material relativos às atividades cotidianas em espaços residenciais, com a presença de áreas de refugo, de lixo e inclusive com materiais reciclados." (SILVA, 2019).

Fachada edificação em 2021 - Fonte: Gabriel Dore

A Casa Padre João Maria, é um dos poucos prédios do século XVII construídos de alvenaria pedra-e-cal na cidade de Natal, pois este sistema construtivo era normalmente utilizado pela Coroa, enquanto o sistema difundido na região era a construção de edificações feitas de taipa. Esse sistema original encontra-se conservado na edificação até os dias atuais.

A fachada em estilo colonial remonta ao final do século XIX. Após esse período, a edificação sofreu alterações pontuais de estilo neoclássico, como o platibanda e a abertura de outro acesso (Nesi, 2002), que descaracterizaram o estilo arquitetônico original, recuperado durante restauração de 1994.

Dentre os inúmeros moradores da edificação, destaca-se o Padre João Maria, que morou no local entre 1881 e 1905, período que assumiu a Paróquia da Igreja Nossa Senhora da Apresentação. O Padre foi uma figura importantíssima na história do Rio Grande do Norte, sendo conhecido por sua dedicação na ajuda aos necessitados e ao combate a varíola. Nascido em 1848, na zona rural de Caicó, o Padre Potiguar é considerado pela população católica local como um santo e este reconhecimento levou a igreja católica a abrir, em 2002, um processo de beatificação do padre Potiguar. Este ilustre morador acrescenta ainda mais valor histórico a esta edificação, contribuindo para a sua importância histórica.

Atualmente, a Casa Padre João Maria encontra-se sob a administração do IPHAN, porém fechada e sem uso. Fiquemos atentos, pois a destinação de um uso a uma edificação patrimonial é fundamental para sua conservação. Não podemos deixar que esta riquíssima história, traduzida na arquitetura, se perca no tempo. Vamos preservar o nosso patrimônio!

Paredes Pedra-e-cal conservadas - Fonte: Magnus Nascimento

 

Fontes:

Livros:


COSTA, Andréa. Centro Histórico de Natal: Guia para Turistas e Moradores. Natal: IFRN, 2014. 61p.


MEDEIROS, Maria de Fátima. Natal: patrimônio histórico e cultural. Natal/RN: Fuly Editora, 1999. 133 p.


NATAL. Prefeitura Municipal. Secretaria Municipal do Meio Ambiente e Urbanismo. Natal: história, cultura e turismo.Natal: DIPE -SEMURB, 2008; 200p.


Sites:


NESI, Jeanne Fonseca Leite. O Armazém Real da Capitania do Rio Grande. Revista do Ihgrn: Edição Comemorativa do Centenário 1902-2002, Natal, p. 199-203, 2002. Disponível em: http://repositoriolabim.cchla.ufrn.br/handle/123456789/1324 . Acesso em: 18 fev. 2021.


SILVA, Roberto Airon. Arqueologia histórica e urbana: intervenções na casa do padre João Maria no bairro da Cidade Alta; Natal/RN. Especiaria: Cadernos de Ciências Humanas, [S.L.], v. 18, n. 33, p. 199-230, 9 dez. 2019. Universidade Estadual de Santa Cruz. http://dx.doi.org/10.36113/especiaria.v18i33.2565 . Disponível em: https://periodicos.uesc.br/index.php/especiaria/article/view/2565 . Acesso em: 18 fev. 2021


SILVA, Yuno. Restauro do Armazém Real é retomado. Tribuna do Norte. Natal, p. 1-1. 30 mar. 2019. Disponível em: http://www.tribunadonorte.com.br/noticia/restauro-do-armaza-m-real-a-retomado/443469 . Acesso em: 18 fev. 2021.


SOARES, Prof. Dr. Lenin Campos. Casa do Padre João Maria. Natal das Antigas. Disponível em: https://www.nataldasantigas.com.br/blog/casa-do-padre-joao-maria . Acesso em: 18 de Fev. 2020


104 visualizações0 comentário

Posts recentes

Ver tudo